Poesias e poemas

Balada sociedade de consumo

Eles cantavam nas margens dos grandes rios
Havia a sociedade de consumo
Mas eles perguntavam e o homem? É só o que consomem
É só o homem e o seu sumo?
Onde está o homem? O homem? O homem?
E cantavam na margem dos grandes rios
Havia automóveis, frigoríficos, televisão
Havia sociedade por ações
Mas eles perguntavam e o amor? É só a solidão?
É só esta mobília a prestações?
E cantavam na margem dos grandes rios
Havia o verbo ser e o verbo ter
havia o não haver e o haver demais
Mas eles perguntavam: e viver?
É só este não ser para ter mais?
E cantavam na margem dos grandes rios.

Manuel Alegre

Professora universitária - Mestre em Administração e Blogueira nas horas vagas. Cada um tem a parte de mim que conquistou. Sou mulher, fera, amiga, bruxa e fada. Só não sou obrigada.

%d blogueiros gostam disto: