Proseando

O ruído é danoso

Por estranho que pareça, tudo cansa, como certos sofrimentos ou preocupações: se excessivos, constantes e repetitivos, começam a nos desinteressar. Assim, a amiga eternamente queixosa de seu péssimo casamento, mas que nele continua; a conhecida que só fala de suas doenças, mas não se trata; o colega que repete sempre que vai largar o emprego, mas nele permanece, mesmo insatisfeito; enfim, as pessoas queixosas que aparentemente curtem suas mazelas, mas nos perturbam com suas lamentações, fazem parte de um tipo de desgraça banalizada pela repetição. É quando a desgraça alheia começa a incomodar outras pessoas, que também tem problemas, mas sofrem em silêncio. O ruído é danoso.

Professora universitária - Mestre em Administração e Blogueira nas horas vagas. Cada um tem a parte de mim que conquistou. Sou mulher, fera, amiga, bruxa e fada. Só não sou obrigada.

%d blogueiros gostam disto: